Quem sou eu

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

ACEITAÇAO

O Tantra diz para aceitar tudo o que você é. Você é um grande mistério de muitas energias multidimensionais; aceite isso e se porte com cada energia com uma profunda sensibilidade, com consciência, com amor, com compreensão. Mova-se com ela! Então cada desejo se torna um veículo para ir além, cada energia se torna uma ajuda; então este mesmo mundo é o nirvana e este mesmo corpo é um templo, um templo sagrado, um lugar sagrado.
O Tantra diz que não existe nenhuma dualidade. Se existir a dualidade, você não pode uni-las e, não importa quanto você tente, elas permanecerão duas; não importa como você as uma, elas permanecerão duas e a luta continuará, o dualismo permanecerá.
Se o mundo e o divino são dois, então eles não podem ser unidos. Se eles não forem realmente dois, se apenas aparentarem ser dois, só então podem ser um. Se o seu corpo e sua alma forem dois, então eles não poderão se unir; se você e Deus forem dois, não haverá possibilidade de uni-los; eles continuarão sendo dois.
O Tantra diz que não há dualidade, que ela é apenas uma aparência. Portanto, por que ajudar a aparência a se fortalecer? O Tantra pergunta por que ajudar essa aparência a de dualidade a se fortalecer?
Dissolva-a neste exato momento! Seja um!
Através da aceitação você se torna um, e não através da luta. Aceite o mundo, aceite o corpo, aceite tudo o que for inerente a ele. Não crie um centro diferente em você mesmo, pois para o Tantra esse centro diferente nada mais é do que o ego. Não crie um ego e simplesmente fique consciente do que você é. Se você lutar, então o ego estará presente.
O Tantra diz para não lutar! Então não há possibilidade para o ego... Se entendermos o Tantra, haverá muitos problemas, porque para nós, se não houver luta, haverá apenas permissividade. Para nós, nenhuma luta significa permissividade. Mas para o Tantra a permissividade então é a “nossa” permissividade. O Tantra diz para ser permissivo, mas com consciência.
Você está com raiva... O Tantra não dirá para não ficar com raiva, mas para ficar inteiramente com raiva, mas esteja consciente.
O Tantra não é contrário a raiva, mas é apenas contrário ao estado de sono espiritual e à inconsciência espiritual. Esteja consciente e esteja raivoso, e este é o segredo do método: se você estiver consciente, a raiva é transformada e se torna compaixão. A mesma raiva, a mesma energia, se tornará compaixão.
Se você lutar com ela, não haverá possibilidade de acontecer a compaixão. Assim se você for bem sucedido em lutar, em reprimir, será uma pessoa morta. Não haverá raiva porque você a reprimiu, mas também não haverá nenhuma compaixão, porque
somente a raiva pode ser transformada em compaixão. Se você for bem sucedido em sua supressão, o que é impossível, então não haverá sexo, mas também não haverá amor, porque com o sexo morto, não há energia para crescer em amor. Você ficará sem sexo, mas também ficará sem amor, e então todo o ponto é perdido, porque sem amor não hã divindade, sem amor não há libertação, sem amor não há liberdade.
O Tantra diz que essas mesmas energias dever ser transformadas; em outra palavras: se você for contra o mundo, não haverá nirvana, porque esse mesmo mundo é o que deve ser transformado no nirvana. Então você estaria contra as energias básicas que são a fonte.
Dessa maneira, a alquimia tântrica diz para não lutar, para se amigável com todas as energias que lhe foram dadas. Acolha-as, sinta-se grato por você sentir raiva, por você ter sexo, por você ter ganância. Sinta-se grato porque essas são as fontes ocultas, e elas podem ser transformadas, podem ser abertas. E, quando o sexo é transformado, ele se torna amor, e o veneno desaparece, o que é feio desaparece.
A semente é feia, mas quando se torna viva, ela brota e floresce, e então há beleza.
Para o Tantra, tudo é sagrado. Lembre-se disto: para o Tantra tudo é sagrado, nada é profano. Olhe para isso desta maneira: para uma pessoa irreligiosa, tudo é profano; para uma pessoa pretensamente religiosa, uma coisa é sagrada e outra é profana. O Tantra diz que tudo é sagrado, e é por isso que não podemos entendê-lo. Ele é o ponto de vista não-dual mais profundo – se pudermos chamá-lo de ponto de vista. Ele não é, porque todo ponto de vista fatalmente é dual. Ele não é contra coisa alguma; portanto, não é um ponto de vista, mas uma unidade sentida, uma unidade vivida.
(Osho – partes extraidas do Tantra o caminho da aceitação)