Quem sou eu

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

A linguagem do Amor

A linguagem do Amor

O amor é a linguagem, e a linguagem do amor é silenciosa. Quando dois amantes estão em profunda harmonia, no que Carl Jung costumava chamar de sincronicidade, quando suas vibrações estão simplesmente sincronizadas uma com a outra no mesmo comprimento de onda, então há o silêncio, então os amantes não gostam de conversar. Apenas maridos e mulheres conversam, e os amantes ficam calados.

Na verdade, o marido e a esposa não podem ficar em silêncio porque a linguagem é uma maneira de evitar o outro. Se você não estiver evitando o outro, se não estiver conversando, a presença do outro se torna muito embaraçosa; então marido e esposa imediatamente liberam sua nuvem de tinta preta! Qualquer desculpa servirá, mas eles liberam a tinta à volta de si e desaparecem na nuvem, e então não há problema.

A linguagem mão é um modo de se relacionar, mas um modo de evitar. Quando você está num profundo amor, pode segurar a mão do seu amado ou amada, mas permanecerá em silêncio... em completo silêncio, sem nem sequer uma ondulação.
Nesse lago sem ondulações da sua consciência, algo é transmitido, a mensagem é dada. Trata-se de uma mensagem sem palavras.

O Tantra diz que a pessoa precisa aprender a linguagem do amor, a linguagem do silêncio, a linguagem da presença um do outro, a linguagem do coração, a linguagem das entranhas. Nós aprendemos uma linguagem que não é existencial, uma linguagem alienígena; utilitária, é claro, que preenche um certo propósito, mas no que se refere a investigação mais elevada da consciência ela é uma barreira.
No nível mais baixo, tudo bem; é claro que no dia-a-dia você precisa de uma certa linguagem, e o silêncio não servirá. Mas quando você se move mais fundo e mais alto, a linguagem não servirá.