Quem sou eu

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

DUAS CARTAS DE WILLIAM BLAKE

DUAS CARTAS DE WILLIAM BLAKE
Juliana Steill
Apresento uma tradução de duas cartas do poeta-pintor inglês William Blake (1757-1982) a um cliente, o Reverendo Trustler, ambas escritas em agosto de 1799.
Na primeira carta, Blake escreve sobre o envio de uma gravura ao Rev. Trustler como amostra do seu trabalho.
Aparentemente, o Rev. Trustler havia lhe pedido esta amostra tendo em vista
contratá-lo para fazer uma série de gravuras para publicação com temática religiosa.
A segunda carta é uma réplica aos comentários do Rev. Trustler sobre a gravura de Blake.
Estas cartas são importantes porque mostram um pouco do cotidiano de Blake como
gravurista e, principalmente, alguns dos seus princípios de trabalho e de arte.
Na tradução, procurei reescrever não apenas o conteúdo das cartas, como também o estilo epistolar de Blake. Por exemplo, ele praticamente não usa vírgulas, o que preferi manter no texto traduzido. Da mesma forma procedi com o emprego de maiúsculas e de ampersands.
Fonte dos originais:
Erdman, David V. (editor). The Complete Poetry & Prose of William Blake. Electronic Edition.
Charlottesville: Institute for Advanced Technology in the Humanities, 2001.



1.Ao Reverendo Dr. Trustler
Hercules Build., Lambeth, 16.ago.1799
Rev. Sr.
Cada vez mais acho que meu Estilo de Gravura é uma Espécie por si mesma. & nesta
que lhe envio fui levado por meu Gênio ou Anjo a segui-lo aonde ele guiava se eu agisse de
outra maneira não cumpriria o propósito pelo qual vivo. que é em conjunção com homens
como o meu amigo Cumberland renovar a Arte perdida dos Gregos
Tentei por quinze dias toda manhã seguir o seu Ditado. porém quando vi que minhas
tentativas eram em vão. resolvi mostrar uma independência a qual sem dúvida mais agrada
um Autor do que seguir servilmente o rastro de um outro por mais admirável que este
rastro seja. De todo modo minha Justificativa será: não podia fazer de outro jeito, era mais
forte que eu!
Sei que implorei por suas Idéias & prometi construir sobre elas aqui desobedeci meu
patrão agora vejo o meu erro
A gravura que Envio. É
Um Pai despedindo-se de sua Esposa & Filho. É observado por Dois Demônios
encarnados. com intenção de, assim que ele virar as costas, assassinar a mãe & o filho – Se
isto não é Malevolência extrema, não sei o que é. & se o senhor aprovar não tenho dúvida
de que lhe darei Benevolência com Igual Vigor. assim como Orgulho & Humildade. mas
não posso descrever previamente em palavras o que penso em Desenhar por medo que eu
Evapore [algo de m] o Espírito da minha Invenção. porém desejo que nenhuma das
minhas Gravuras seja destituída dos Particulares Infinitos apresentados àqueles que as
Contemplarem. E assim eu as chamo Minhas Sei que não são Minhas, compartilhando da
opinião de Milton quando ele diz Que a Musa visita seu Sono & acorda & conduz sua
Canção quando a manhã enrubesce o Leste. & estando também no dilema do profeta que
diz que Não pode ir além dos desígnios de Deus no que se refere a bem ou mal Se o
senhor aprovar meu Procedimento & for do seu agrado. Eu gostaria de Pintar telas a óleo
nas mesmas dimensões com que Desenho. & nos mesmos termos. assim o senhor teria
uma série de Pinturas de Escritório, das quais alegro-me de que em nada deverão a um
especialista em Rembrandt & Teniers, os quais tenho estudado não menos que Rafael &
Michelangelo. – Por favor me envie seus pedidos respeitando isto & Em meu próximo
Trabalho prometo ainda mais Eficiência.
Eu sou, Rev. Sr.
Seu mais humilde servo
WILLm BLAKE


2.[Ao] Reverendo Dr. Trustler, Englefield Green, Eghan, Surrey
Hercules Buildings 13, Lambeth, 23 de agosto, 1799
Rev. Sr.
Sinto profundamente que o senhor tenha recaído sobre o Mundo Espiritual em
Particular se devo respondê-lo sinto muito que suas Idéias & as Minhas sobre Pintura
Moral difiram a ponto de tê-lo deixado bravo com o meu método de Estudo. Se estou
errado, estou errado em boa companhia. Pensei que seu projeto compreendesse Todos os
Tipos desta Arte & Principalmente que o senhor não rejeitaria o Tipo de Arte que dá
Existência a Qualquer outro. a saber, as Visões da Eternidade O senhor diz que eu preciso
que alguém me Elucide as Idéias. Mas o senhor saiba que O Que é Grande é
necessariamente obscuro aos Fracos. Que o que pode fazer-se Explícito ao Idiota não é
digno da minha atenção. Os mais sábios dos Ancestrais consideravam o menos Explícito o
mais adequado para a Instrução porque estimula as faculdades a agirem. Refiro-me a
Moisés Salomão Esopo Homero Platão
E como o senhor fez-me o favor das suas observações sobre a minha Gravura,
permita-me em troca defendê-la de uma observação equivocada, que é. Que eu supus
Malevolência sem uma Causa – Não seria o mérito de Alguém uma Causa de Inveja no
outro & Serenidade & Felicidade & Beleza uma Causa de Malevolência? Mas o Desejo de
Dinheiro & o Tormento de Um Ladrão não podem jamais se alegados como Causa de seu
Roubo. afinal de contas, muitas pessoas honestas suportam fardos muito maiores com
Coragem Devemos buscar assim a Causa em outro lugar que não o Desejo de Dinheiro,
pois esta é a paixão dos Miseráveis, não dos Ladrões
Mostrei assim a Fragilidade do seu Raciocínio proporcionada o que o senhor nunca
verá em meus tipos Eles são dos de Michelangelo Rafael & os Antigos & dos melhores
Modelos da atualidade.
Percebo que seus Olhos estão pervertidos pelas Caricaturas, as quais não deveriam
existir tanto quanto elas existem. Adoro Divertimento, mas Divertimento demais é de
todas as coisas a mais detestável. Contentamento é melhor que Divertimento & Felicidade
é melhor que Contentamento – Sinto que o Homem pode ser feliz Neste Mundo. E estou
certo de que Este Mundo É um Mundo de Imaginação & Visão eu vejo Cada coisa que eu
pinto Neste Mundo, mas nem Todos vêem assim. Aos Olhos de um Miserável um Guinéu
é mais belo que o Sol & uma bolsa usada com o propósito de guardar Dinheiro tem mais
belas proporções que uma Vinha carregada de Uvas. A árvore que leva alguns a lágrimas de
alegria é aos Olhos de outros simplesmente uma Coisa verde no meio do caminho. Tudo o
que Alguns vêem na Natureza é o Ridículo & a Deformidade & por estes não devo regular
minhas proporções, & Uns Poucos sequer vêem Natureza No entanto aos Olhos do
Homem de Imaginação a Natureza é a própria Imaginação. Tal o Homem, Assim ele Vê.
Tal o Olho é formado, assim serão seus Poderes O senhor certamente Equivoca-se quando
diz que Visões de Fantasia não se encontram Neste Mundo. Para Mim Este Mundo é todo
Uma Visão continuada da Fantasia ou Imaginação & eu fico arrasado quando me dizem
Isto. O que é que deixa Homero Virgílio & Milton em tão alta posição de Arte?
Por que a
Bíblia é mais Interessante & Instrutiva que qualquer outro livro? Não será porque eles são
dirigidos à Imaginação que é Sensação Espiritual & senão indiretamente ao Entendimento
ou Razão? Eis a Verdadeira Pintura e somente ela foi valorizada pelos Gregos & os
melhores Artistas modernos. Considere o que o Sr. Bacon diz: “a Sensação envia à
Imaginação antes de a razão ter julgado & a razão envia à Imaginação antes que a Decisão
possa ser ativada”. Ver Progresso da Aprendizagem Parte 2 P 47 da primeira Edição
Mas fico feliz de encontrar uma Grande Maioria de Colegas Mortais que possam
Elucidar Minhas Visões & Especialmente elas têm sido Elucidadas por Crianças que têm
tido um prazer em contemplar minhas Imagens maior do que eu podia imaginar. Nem a
Juventude nem a Infância é Tolice ou Incapacidade Algumas Crianças são Tolas & assim
são certos Velhos. Mas há uma vasta Maioria do lado da Imaginação ou Sensação Espiritual
Ilustrar a partir de outro Pintor é infinitamente mais trabalhoso do que Ilustrar as
próprias Invenções. E pelo Tamanho que o senhor solicita meu preço foi Trinta Guinéus
& não posso fazê-lo por menos. Recebi Vinte pela Cabeça que lhe enviei como amostra,
mas a partir de meus próprios projetos eu poderia fazer pelo menos Seis vezes mais a
quantidade de trabalho no mesmo tempo o que contará com diferença de preço assim
como também aquela Gravura a Giz é pelo menos seis vezes tão trabalhosa quanto em
Aqua tinta. Não tenho nenhuma objeção a Ilustrar a partir de outro Artista. Ilustrar é a
profissão que aprendi, & jamais poderia ter tentado viver de outra coisa Se os pedidos não
vieram por minhas Gravuras & Pinturas, as quais tenho o prazer em dizer-lhe estão
Aumentando a Cada Dia. Assim Se eu sou um Pintor isto não é para ser atribuído a uma
Busca. Mas estou contente tanto se viver de Pintura como da Gravura
Eu sou Rev. Sr. Seu muito obediente servo
WILLIAM BLAKE

Juliana Steil, doutoranda da Pós-Graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina
julianasteil@gmail.com
Travessias número 01 revistatravessias@gmail.com
Pesquisas em educação, cultura, linguagem e arte.
Juliana Steil www.unioeste.br/travessias